Encontros virtuais de cinema durante a quarentena

# 100 horas em 7 minutos?! O vídeo abaixo comemora os 40 encontros! Mas em 2021 nós vamos começar do 69º! e seguindo em frente. Nossos encontros virtuais são gratuitos e acontecem sempre aos sábados, às 16h. A cada encontro, um filme diferente como tema da conversa. Para participar, basta se inscrever para receber por email as informações de cada encontro: acesse o formulário.

(Os emails são disparados às quartas-feiras).


Captura de Tela 2020-04-09 às 14.30.48

Enquanto as sessões do Cinematógrafo no Circuito de Cinema Saladearte estão suspensas por conta do distanciamento social necessário para o combate à disseminação do coronavírus, a Saladearte Cine Daten, junto com os curadores do Cinematógrafo – os cineastas Camele Queiroz e Fabricio Ramos – promovem encontros virtuais para conversar sobre filmes que serão propostos e podem ser vistos online. Os encontros acontecem aos sábados (16h), através da plataforma Google Meet, acessível pelo celular e/ou pelo computador. O público interessado pode se cadastrar no breve formulário online para receber por email o link de acesso aos encontros virtuais: acesse o formulário.

Assista as gravações dos encontros:

76º Encontro: conversamos sobre “O Canto dos Pardais”, filme de Majid Majidi, diretor iraniano. Em seus filmes, a condição material humana, limitada, convive com os gestos humanos transcendentes, que expandem os sentidos possíveis da vida.


69º ENCONTRO: o primeiro de 2021, a conversa, conduzida pelos curadores Fabricio Ramos e Camele Queiroz, foi sobre “Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo” (2010), de Marcelo Gomes e Karim Aïnouz. Confira o que rolou:


63º Encontro: o primeiro sobre “Mulholland Drive” (2001), clássico contemporâneo de David Lynch, um filme que permanece conosco como um daqueles sonhos estranhos, inquietantes, perturbadores e belos de que jamais esquecemos


62º Encontro: o segundo sobre “O Grito do Coração”, de Idrissa Ouedraogo, cineasta de Burkina Faso. Aqui, a conversa é dá ênfase na linguagem cinematográfica:

61º Encontro: o primeiro sobre “O Grito do Coração”, de Idrissa Ouedraogo, cineasta de Burkina Faso. Aqui, a conversa é livre (no segundo encontro sobre o filme, a ênfase é na linguagem cinematográfica).


60º Encontro: “Ciganos da Ciambra” (2017), do diretor ítalo-americano Jonas Carpignano, foi o filme tema dos 59º e 60º Encontros Virtuais Cinematógrafo e Saladearte.


56º Encontro: papo livre sobre “No” (2012), do diretor chileno Pablo Larraín. O encontro virtual aconteceu em 4 de novembro de 2020.


52º Encontro: Papo Cinema sobre “Hiroshima Mon Amour”, de Alain Resnais Marguerite Duras. Esse foi o papo cinema do encontro de quarta, tendo em vista que, e na nova proposta do Cinematógrafo, aos sábados, nosso encontro é com o filme em si para conversarmos sobre os seus temas e impactos em nós. Nas quartas, nós nos colocamos, através do filme, diante do próprio cinema para pensá-lo como linguagem artística. O encontro aconteceu em 14 de outubro:


49º Encontro: conversa sobre “Amour” (2012), de Michael Haneke. (30 de setembro).


44º Encontro: conversa sobre “Mãe e Filha”, do diretor cearense Petrus Cariry.


43º Encontro: conversa sobre “Túmulo dos Vagalumes”, sensível e dilacerante drama do mestre da animação japonesa Isao Takahata, um dos fundadores do célebre Studio Ghibli.


41º Encontro: Gravação da conversa sobre “A Caça”, tema do 41º Encontro Virtual Cinematógrafo e Saladearte Daten, que aconteceu na última quarta, dia 2 de setembro. O papo, mediado pelos cineastas e curadores do Cinematógrafo, Mel e Fabricio, abordou temas graves e inquietantes, abrangendo um leque de questões através das participações do público.


38º Encontro: “La Lengua de Las Mariposas”, realizado 22/8/2020.

Gravação do 38º Encontro Cinematógrafo. O filme espanhol narra a história do despertar do pequeno Moncho para as coisas do mundo e da vida, através da relação de mestre e amigo com seu professor, o velho Dom Gregório, já em vias de se aposentar. Essa história acontece em um vilarejo galego, no momento em que estoura a guerra civil espanhola e se radicaliza, na forma da violência de estado, o fascismo que desemboca no regime franquista.

A conversa, inevitavelmente, transpõe aquele estado de coisas para o mundo atual, tecendo, sobretudo, a analogia com o momento atual no Brasil. Sensibilidades, política, aprendizado, drama, desafios, luta. Uma conversa das mais marcantes no Cinematógrafo!


33º Encontro: contou com as participações especiais da diretora Luciana Burlamaqui e da atriz e ativista social Sophia Bisilliat.


32º Encontro: no dia 1 de agosto, conversamos sobre o filme “Uma Canta a Outra Não” (1977), de Agnès Varda.


31º Encontro: “hera”, filme de Camele Queiroz e Fabricio Ramos, é discutido com a presença de poetas do Grupo Hera.


30º Encontro: “O Segredo das Águas” (2014), de Naomi Kawase.


29º Encontro: “Yo, También” (2009), de Antonio Naharro e Álvaro Pastor.


28º Encontro: “Lacombe Lucien” (1974), de Luis Malle.


27º Encontro: “O Homem que Não Dormia”, com a participação de Edgard Navarro:


26º Encontro: “O Silêncio” (1998), de Mohsen Mackmalbaf


25º Encontro: conversa sobre “O Abraço da Serpente”, de Ciro Guerra.


24º Encontro: conversa sobre “Nostalgia da Luz”, de Patricio Guzmán.


23º Encontro: conversa sobre “O Ódio” (1995), de Mathieu Kassovitz:


22º Encontro: uma conversa sobre “O Vento nos Levará”, de Abbas Kiarostami, que completaria 80 anos este ano. Confira:


21º Encontro: dia 24 de junho, São João, uma conversa sobre “O Fim e o Princípio”, de Eduardo Coutinho, com palhinha do cantor e compositor Josildo Sá, no forró Cinematórafo:


20º Encontro: conversa sobre “A Ponte das Artes”, de Eugène Green:


19º Encontro: conversa sobre “Depois da Chuva”, com as participações especiais dos diretores Cláudio Marques e Marília Hughes.


18º Encontro: conversa sobre “Serras da Desordem”, com a participação de Cristina Amaral.

Mais infos sobre o encontro, clique aqui.

17º Encontro: conversa sobre “Timbuktu”, com a participação do diretor Abderrahmane Sissako e da roteirista Kessen Tall 


16º Encontro: conversa sobre “A Religiosa Portuguesa”, de Eugène Green.

————–

15º Encontro: conversa sobre “A Coleção Invisível”

O encontro contou com as participações do diretor Bernard Attal e do ator Vladimir Brichta.

————–

14º Encontro: conversa sobre “São Paulo, Sociedade Anônima”

————

13º Encontro: conversa sobre “O Filho de Joseph”

Filme de Eugène Green:

————

10º Encontro: conversa sobre “VESTÍGIOS DO DIA”

————

9º Encontro: conversa sobre “A vida e Arte de Stanislaw Szukalski”

————

8º Encontro: conversa sobre “O Filho Uruguaio”

Produção francesa cujo drama e passa no Uruguai, aborda maternidade e amadurecimento.

————————

7º Encontro: conversa sobre “O Cidadão Ilustre”

Uma conversa sobre as relações do artista coma  arte.

————————

6º Encontro: conversa sobre “Brincando nos Campos do Senhor”

Filme de Hector Babenco lançado em 1991, de temática viva e atual.

————————

5º Encontro: conversa sobre “Todas as Manhãs do Mundo”

Drama e Música no filme de Alain Corneau. A conversa contou com a participação especial do poeta e músico amador Wilson Pereira de Jesus.

————————

4º Encontro: conversa sobre “A Fita Branca”

Dia 22 de abril, uma das mais estimulantes conversas sobre o filme de Michael Haneken.

————————

3º encontro – Conversa sobre “Assunto de Família”

18 de abril, rica conversa sobre o filme de Hirokazu Kore-eda.

————————

2º encontro – Conversa sobre “Contos da Lua Vaga na Chuva”

15 de abril: conversa sobre uma obra-prima de Kenji Mizoguchi:

————————

1º Encontro: conversa sobre “A História da Eternidade”

Belíssimo filme pernambucano de Camilo Cavalcanti.