“TERRA DEU TERRA COME” (Brasil, 2010), de Rodrigo Siqueira, é o filme tema de nosso 36º Encontro Cinematógrafo e Saladearte Daten, que acontece neste sábado (15), às 16h, via Google Meet. Assista ao filme até lá e participe!

Para participar dos nossos encontros e receber por email os links especiais e as infos de nossos encontros virtuais, cadastre-se:

Botao-QUERO-PARTICIPAR-300x173Dúvidas? Entre em CONTATO conosco.

NOTA DOS CURADORES

TERRA DEU TERRA COME (2010)

Captura de Tela 2020-08-13 às 08.52.09

Imaginário do real no coração do Brasil

“Terra Deu Terra Come” (Brasil, 2010), de Rodrigo Siqueira, nos leva a Quartel do Indaiá, uma comunidade da chapada diamantina mineira. Lá, com cantigas e vissungos representadas por seu Pedro de Alexina (que colaborou com a direção do filme), acontece o velório de seu João Batista, antigo morador, adepto da pinga, morto de morte morrida aos 120, ou talvez 180 anos de idade!

“Vissungos” são as cantigas em dialeto “banguela”, de herança africana, entoadas enquanto se carregava o morto até a sepultura. Seu Pedro, já entrados nos 80 anos, é um dos últimos cantadores de vissungos e, enquanto o morto é velado por um dia e uma noite, seu Pedro nos conta histórias de mistérios, tesouros enterrados, diamantes perdidos, aparições de almas penadas, presença na noite de criaturas humanas ou não.

Seu Pedro, que aqui e ali se lembra das dores da velhice, se mostra sempre alegre e vivaz. Ele narra também episódios de sua vida de garimpeiro, vida digna de uma tragédia épica, marcada tanto pela exploração que regia a saga cobiçosa dos diamantes, quanto pela riqueza das remanescências africanas em vias de esquecimento.

A cada geração, a transitoriedade histórica modifica o imaginário da comunidade. Quando chegar a sua hora, seu Pedro não quer ser carregado “calado” (sem vissungos), mas não está certo se alguém ali saberá cantá-los. Ao pensar sobre isso, um pouco triste, ele sorri.

“Terra Deu Terra Come”, premiado no Festival É Tudo Verdade em 2010, se realiza como uma experiência propriamente cinematográfica: tem ação dramática e narrativa envolventes e acontece como uma representação da vida, como uma imagem da verdade sem reivindicar a verdade da imagem.

Como seu Pedro, simples garimpeiro que já encontrou os mais valiosos diamantes, “Terra Deu Terra Come” é uma singela obra-prima, cheia de riquezas em sua simplicidade.

Por fabricio e camele, curadores do Cinematógrafo

20200813_092853_0000

“TERRA DEU TERRA COME” (Brasil, 2010), de Rodrigo Siqueira, é o filme tema de nosso 36º Encontro Cinematógrafo e Saladearte Daten, que acontece neste sábado (15), às 16h, via Google Meet. Assista ao filme até lá e participe!


ENCONTROS VIRTUAIS

Os Encontros Virtuais Cinematógrafo e Saladearte Daten acontecem nas tardes de sábado e nas noites de quarta desde o início da quarentena, sempre com um filme diferente sugerido pelos curadores do Cinematógrafo, os cineastas Camele Queiroz e Fabricio Ramos, e que pode ser visto online, em casa, a qualquer hora antes do encontro. As conversas acontecem via Google Meet e são participativas.

Cadastre-se para receber por email as informações e links de nossos encontros:

Botao-QUERO-PARTICIPAR-300x173Dúvidas? Entre em CONTATO conosco.

Acompanhem o Instagram e Facebook do Cinematógrafo para ficar por dentro de nossa programação de Encontros Virtuais, que acontecerão durante todo o período em que as salas de cinema precisarem ficar fechadas por conta do distanciamento social necessário para conter a disseminação do coronavírus.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s