Nesta quarta (8/dez), vamos ao nosso 110º Encontro Virtual Cinematógrafo e Saladearte. Será às 19h30, via Meet. Participe! Inscreva seu email para receber os links especiais, os acessos às salas virtuais e participar das conversas!

Nossos encontros virtuais são abertos e gratuitos e acontecem nas quartas-feiras, quinzenalmente. Os filmes indicados são assistidos com antecedência e são temas de nossas conversas! Para participar e receber por email os links especiais e as infos de nossos encontros virtuais, cadastre-se! OS EMAILS são entregues no domingo anterior ao encontro.
Dúvidas? Entre em CONTATO conosco.

📒 NOTA DOS CURADORES

(…) uma elegia à vida, com perspectiva histórica e política, imaginação moral sobre a condição humana e um primor plástico que justifica o cinema como expressão artística tão própria. – Por mel e fabricio

 

Wim Wenders, Herzog, Fassbinder… expoentes do Novo Cinema Alemão, esses cineastas, além de reposicionarem o cinema alemão no cenário cultural, expuseram, cada um a seu modo, as feridas abertas de uma Alemanha recalcada pela memória do nazismo e dividida pela Guerra Fria.

“Asas do Desejo” (1987) aparece depois de “Paris, Texas”, outra obra-prima de Wenders que, de certo modo, expressa o amor do cineasta pelo cinema americano. Mas ele retorna à Alemanha para filmar essa história de Anjos atemporais que passeiam por Berlim infundindo esperança e refrigério às almas dos homens e mulheres solitários e angustiados pelas vicissitudes da vida.

Escrito em parceria com Peter Handke (ganhador do Nobel de Literatura em 2019), amigo do diretor, “Asas do Desejo” transcorre como um fluxo de consciência transcendente, em tom de meditação existencial e elegia mística, e mítica: o anjo (Bruno Ganz) enfadado da eternidade que se encanta pelas oscilações sensíveis da condição humana.

“Asas do Desejo”, entretanto, não prescinde da Poética da realidade que marca a obra de Wim Wenders. Certa solenidade lírica do filme, que evoca a influência do pensamento existencialista (aspecto da trajetória pessoal de Wenders), se equilibra com a gravidade do peso histórico que paira sobre uma Berlim cotidiana, onde todos os caminhos levam ao muro e cada cidadão se torna um “estado em si mesmo”.

Mas no caminho está o universo lúdico da arte circense, encarnado pela jovem trapezista que encanta o anjo perdido em sua errância desprovida de tempo, de cores, de dúvidas. Farto da plenitude, ele anseia se precipitar no turbilhão sensível do humano.

“Asas do Desejo” reflete a verve filosófica e literária de Wenders e Handke, a poesia de Rainer Maria Rilke e o rock visceral de Nick Cave, para compor uma elegia à vida, com perspectiva histórica e política, imaginação moral sobre a condição humana e um primor plástico que justifica o cinema como expressão artística tão própria.

Por Camele Queiroz e Fabricio Ramos, cineastas e curadores


📌 nossos encontros virtuais são abertos e gratuitos.

Participe do nosso 110º Encontro Virtual Cinematógrafo e Saladearte, que viemos realizando desde o início da pandemia, mas que ganharam dinâmica própria e continuam, mesmo com a retomada das sessões presenciais. Os curadores Mel e Fabricio vão introduzir a conversa e depois abrir à participação do público. Venha compartilhar suas impressões conosco.

Inscreva seu email para receber os e-mails de nossos encontros, com links e infos. Os e-mails são entregues nos domingos e os encontros acontecem nas noites de quarta-feira, quinzenalmente. A participação é gratuita, aberta a contribuições voluntárias.

Dúvidas? Entre em CONTATO conosco.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s