Um drama social argentino que o Brasil vive. Vamos ao nosso 48º Encontro Virtual Cinematógrafo e Saladearte Daten, neste sábado (26/set), às 16h, via Google Meet.

Nossos encontros virtuais acontecem às quartas e aos sábados. Os filmes indicados são assistidos com antecedência e são temas de nossas conversas! Para participar e receber por email os links especiais e as infos de nossos encontros virtuais, cadastre-se:

Botao-QUERO-PARTICIPAR-300x173

Dúvidas? Entre em CONTATO conosco.


NOTA DOS CURADORES

Um drama social argentino que o Brasil vive.

Em Elefante Branco (Argentina/Esp, 2012), o diretor Pablo Trapero elege, tal como em seu trabalho anterior “Carrancho”, os atores Ricardo Darín e Martina Gusman como protagonistas, incluindo desta vez o belga Jéremie Renier, o Cèdric de “A Ponte das Artes” (de Eugène Green) e um “ícone do drama social europeu” cuja presença é recorrente na obra dos irmãos Dardenne.

O filme conta a história de dois padres, Julián (Darín) e Nicolás (Renier) que juntos com a assistente social Luciana (Gusman) atuam na “Cidade Oculta”, favela de Buenos Aires marcada pela precariedade urbana, pela violência social e pelo tráfico de drogas, e enfrentam problemas com traficantes e com a polícia, ao passo que lidam com o Estado e a Igreja.

O elefante branco é um prédio faraônico localizado na mesma favela, cuja construção – iniciada em 1930 a partir da “ideia de um socialista” – foi interrompida várias vezes em diversos períodos, e até hoje não foi concluída. A ideia era que o prédio abrigasse o maior hospital da América Latina, mas agora abriga famílias sem-teto e, abandonado, serve também como ponto de uso de drogas para adolescentes.

Julián precisa estar na favela, mediar conflitos, orientar jovens viciados, enfrentar a Polícia e não se deixar dominar pelos traficantes, mas também precisa negociar com o Bispo os problemas financeiros que imperram a construção das casas para moradores da favela, obra na qual eles mesmos, os moradores, trabalham e que é financiada por articulações entre Prefeitura e Igreja (Estado e Clero).

Julián se defronta com as idiossincrasias da fé popular, com as engessadas e distantes formalidades hierárquicas da estrutura da Igreja e com o Estado, cuja presença na favela não se dá de nenhuma forma senão por operações policias que, oprimem e matam a população para salvaguardar os interesses das elites.

As questões sociais se fazem duramente presentes no filme, mas as questões espirituais dos personagens, especialmente de ambos os padres, relacionadas à Fé religiosa, à culpa e ao sentido de suas vidas, expandem a problemática narrativa em “Elefante Branco”. Por isso mesmo o filme não se inscreve no subgênero chamado sarcasticamente favela-movie, como acusaram alguns, insinuando uma emulação de nosso Cidade de Deus.

A elegância formal do filme, traduzida pela bela fotografia e pelo uso inventivo da música (de Michael Nyman) refletem o angustiado esforço de Julián para, em meio dos escombros (sociais, históricos e humanos), se aproximar, de alguma forma, de um milagre.

Por Fabricio e Mel, cineastas e curadores do Cinematógrafo


Vamos conversar sobre “Elefante Branco” no nosso 48º Encontro Virtual Cinematógrafo e Saladearte Daten, neste sábado (26/set), às 16h, via Google Meet.

cropped-cinematocc81grafo-virtual-geral.jpeg

ENCONTROS VIRTUAIS

Os Encontros Virtuais Cinematógrafo e Saladearte Daten acontecem nas tardes de sábado e nas noites de quarta desde o início da quarentena, sempre com um filme diferente sugerido pelos curadores do Cinematógrafo, os cineastas Camele Queiroz e Fabricio Ramos, e que pode ser visto online, em casa, a qualquer hora antes do encontro. As conversas acontecem via Google Meet e são participativas. A ação é gratuita, aberta e não tem fins comerciais.

Acompanhem o Instagram e Facebook do Cinematógrafo para ficar por dentro de nossa programação de Encontros Virtuais, que acontecerão durante todo o período em que as salas de cinema precisarem ficar fechadas por conta do distanciamento social necessário para conter a disseminação do coronavírus.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s