Nesta quarta, dia 23, vamos ao nosso 117° Encontro Virtual Cinematógrafo e Saladearte! Os encontros virtuais se mantém, quinzenalmente, nas noites de quarta, sempre abertos e gratuitos. A dinâmica é participativa, com condução dos curadores, os cineastas Mel e Fabricio. O assunto, desta vez, é “Homem Comum” (2015), do diretor brasileiro Carlos Nader.

Inscreva seu email para receber os links especiais, os acessos às salas virtuais e participar das conversas!

Nossos encontros virtuais são abertos e gratuitos e acontecem nas quartas-feiras, quinzenalmente. Os filmes indicados são assistidos com antecedência e são temas de nossas conversas! Para participar e receber por email os links especiais e as infos de nossos encontros virtuais, cadastre-se! OS EMAILS são entregues no domingo anterior ao encontro.
Dúvidas? Entre em CONTATO conosco.

📒 NOTA DOS CURADORES

  Cosmovisão da alteridade... – Por Mel e Fabricio

Há 25 anos, o cineasta Carlos Nader percorria estradas e rodovias do Brasil profundo, interpelando caminhoneiros e estabelecendo com eles conversas inicialmente triviais para, repentinamente, sugerir uma conversa sobre inquietações existenciais e o enigma da vida.

A atitude de Nader enseja um incerto road-movie e reconduz os caminhos do próprio filme, transformando a experiência do cineasta a partir de seu encontro com Nilson, o caminhoneiro Nilsão. Floresce entre eles, caminhoneiro e cineasta, uma amizade aparentemente destoante, mas fortalecida por algum elo fundamental e desconhecido, por um fascínio mútuo que os une ao longo de uma aventura compartilhada que se estende de 1995 até 2012.

Trata-se de um encontro, o de Nilson e Nader, mediado pelo próprio cinema, não só pelo filme que acontece, mas pela inserção, no próprio filme, de cenas do clássico “A Palavra” (Ordet, 1955), do diretor dinamarquês Carl Theodor Dreyer. Nesta obra-prima, a falta de sentido do mundo e o absurdo da vida são enfrentados e sofridos por seus personagens que, diante do acontecimento fatídico da morte, conclamam, de forma conflituosa e desesperada, o misterioso salto de fé.

O choque de sensibilidades distintas se converte em relação que exprime, através do cinema, uma cosmovisão da alteridade e um reconhecimento íntimo e mútuo de uma condição universal no seio da diferença radical. Um salto de fé no meio do cotidiano, da vida concreta, da realidade corpórea da experiência de viver uma vida comum, provisória e sempre única.

Por Mel e Fabricio, cineastas e curadores do Cinematógrafo


📌 nossos encontros virtuais são abertos e gratuitos.

Participe do nosso 117º Encontro Virtual Cinematógrafo e Saladearte, ação que viemos realizando desde o início da pandemia, mas que ganharam dinâmica própria e continuam, mesmo com a retomada das sessões presenciais. Os curadores Mel e Fabricio vão introduzir a conversa e depois abrir à participação do público. Venha compartilhar suas impressões conosco.

Inscreva seu email para receber os e-mails de nossos encontros, com links e infos. Os e-mails são entregues nos domingos e os encontros acontecem nas noites de quarta-feira, quinzenalmente. A participação é gratuita, aberta a contribuições voluntárias.

Dúvidas? Entre em CONTATO conosco.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s