Cine Cinesta de janeiro elege, dentre tantas obras, quatro filmes de Claude Chabrol, começando do seu primeiro filme e passando por obras das décadas de 1970, 80 e 90. Todas as sessões do ciclo Chabrol acontecem no Cine MAM, do Circuito Saladearte.

Claude Chabrol (1930-2010) foi um dos nomes mais importantes da Nouvelle Vague no fim dos anos 1950. Foi crítico influente da Cahiers do Cinéma antes de iniciar a carreira de cineasta, umas das mais prolíficas dentre os grandes diretores da onda francesa. Muitos dos filmes de Chabrol retratam criticamente aspectos da burguesia provinciana. Não à toa, alguns críticos o referenciam como o Balzac do Cinema, numa alusão à imensa obra do escritor francês. Chabrol realizou, ao longo de meio século, quase um filme por ano até a sua morte, em 2010, aos 80 anos.

PROGRAMAÇÃO:

O Cine Cinesta de janeiro elege, dentre tantas obras, quatro filmes de Claude Chabrol, começando do seu primeiro filme e passando por obras das décadas de 1970, 80 e 90. Todas as sessões do ciclo Chabrol acontecem no Cine MAM, do Circuito Saladearte.

SÁB – 8 de janeiro, 10h: “Nas Garras do Vício” (1958), filme de inspiração Hitchcockiana e cuja estética se tornou uma espécie de marca registrada de Chabrol até os anos 1970. Foi uma das primeiras realizações da Nouvelle Vague, figura como um dos filmes favoritos dos admiradores do grande diretor francês e foi um grande sucesso de público e crítica.

DOM – 9 de janeiro, 10h: “O Açougueiro” (1970) é um thriller psicológico estrelado por Jean Yanne, que interpreta um ex-herói de guerra conhecido por seu comportamento perturbado, marcado pelos horrores que presenciou na Indochina e na Argélia.

B – 15 de janeiro, 10h: “Um Assunto de Mulheres” (1988), com Isabelle Huppert, é baseado na história verídica de Marie-Louise Giraud, umas das últimas mulheres a ser guilhotinada na França, em 1943, executada por ter realizado abortos.

DOM – 16 de janeiro, 10h: “Mulheres Diabólicas” (La Cérémonie, 1995), também com Isabelle Huppert, é um drama policial adaptado do romance “A Judgment in Stone”, de Ruth Rendell, com ecos da peça de 1947 que inspiraram “The Maids”, de Jean Genet. O filme refere o caso de Christine e Lea Papin, duas empregadas francesas que assassinaram brutalmente a esposa e a filha de seu patrão em 1933. Chabrol apresenta uma visão ambígua da cultura e do conflito de classes neste filme, que ele chamou de “o último filme marxista”.

O CINE CINEASTA

O Cine Cineasta promove, a cada mês, um ciclo dedicado a grandes nomes do cinema. É uma ação do Cinematógrafo, iniciativa que promove, mensalmente, uma variedade de programações e encontros de cinema, em parceria com o Circuito Saladearte.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s