“As Harmonias de Werckmeister” (2000), do húngaro Béla Tarr, nos atinge a consciência, mas provoca, sobretudo, a imaginação. Sessão única seguida de roda de conversa, neste sábado (28), às 16h, no Cinema do Museu (na Vitória). Confira a nossa nota, abaixo.


📒 NOTA DOS CURADORES

Em “As Harmonias de Werckmeister”, as contradições afloram para melhor expressar o lugar do cinema: espetáculo e pensamento, desencanto e encantamento, a metafísica e a corporeidade do real, o infinito mistério cósmico e a infinita cegueira humana. – POR Mel e Fabricio, curadores do Cinematógrafo.

“Um bonito conto de fadas romântico”! Assim o cineasta húngaro Béla Tarr se refere ao seu filme “As Harmonias de Werckmeister” (2000). Mas não nos deixemos levar pela irônica autoapreciação do diretor, reconhecidíssimo tanto por “salvar o cinema moderno” (Susan Sontag), quanto pela desafiadora exigência que nos faz através de seu cinema, cujas poética e paisagens expressam um deslocamento do realismo no interior mesmo da concretude material do real.

Baseado no romance “The Melancholy of Resistance”, de László Krasznahorkai (escritor e co-escritor dos filmes de Béla Tarr), “As Harmonias de Werckmeister” se passa na Hungria dos tempos comunistas. O cotidiano de uma pacata cidade é perturbado pela chegada de um espetáculo de feira, que exibe uma enorme baleia empalhada e anuncia a presença de um misterioso príncipe. O ingênuo e crente János Valuska, figura que remete ao Idiota de Dostoievski, conduz a narrativa, cujas conotações apocalípticas aludem à fragilidade da ordem social, enquanto a baleia e o príncipe dão ao filme um tom alegórico ou simbolista.

A força do símbolo, entretanto, reside justamente em sua abrangência poética que o torna irredutível às interpretações demarcadas. Se quisermos referenciar Moby Dick ou o Leviatã, ou lembrarmos da santidade de O Idiota ou do niilismo de “Os Demônios”, de Dostoievski, ou mesmo se recorrermos à filosofia política ou à leitura alegórica alusiva de violentos ‘movimentos das massas’ mobilizadas, tudo isso estará lá, em inquietante relação com a nossa atualidade. Mas tudo isso é também uma redução da Poética de Béla Tarr.

É que, a exemplo de outros de seus filmes (Satantango, O Cavalo de Turim, entre outros), o cinema de Béla Tarr, se nos atinge a consciência, provoca, sobretudo, a imaginação. Em “As Harmonias de Werckmeister”, as contradições afloram para melhor expressar o lugar do cinema: espetáculo e pensamento, desencanto e encantamento, a metafísica e a corporeidade do real, o infinito mistério cósmico e a infinita cegueira humana.


O CINEMATÓGRAFO

A nossa programação é mensal, com diferentes ações que incluem mostras de grandes nomes do cinema, programas inclusivos para crianças, sessões Cult e de Comédia, além do Cinematógrafo, esta sessão, a sessão raiz voltada para filmes contemporâneos que evoquem assuntos do mundo contemporâneo, ligados à arte, à política e à vida mesma, com sessões seguidas de conversa, no Café do Cinema do Museu, conduzida pelos curadores.

O nosso esforço é o de incentivar uma relação de confiança e de descoberta entre o público e a curadoria, feita pelos cineastas Camele Queiroz e Fabricio Ramos, e expandir as relações com o cinema a partir de cada filme apresentado, tomando o cinema como instância de fruição, pensamento e crítica, além de uma espaço de encontro, formação e diálogo crítico. Participem!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s