Sessão inaugural do Cinematógrafo em Foco apresenta a belíssima obra de Eugène Green, sexta, dia 23, às 19h30, na Saladearte Cinema da Ufba.

images-w1280

O Cinema de Eugène Green e “A Ponte das Artes”

“A Ponte das Artes” arrebata e o faz, paradoxalmente, com sutileza e equilíbrio! E nos arrebata não somente pelo que nos oferece enquanto “cinema”, mas sobretudo pela “energia” dramática e estética que Eugène Green consegue nos transmitir, e não só transmitir, mas atingir como um raio luminoso que atravessa o nosso espírito e ilumina o coração.

Estadunidense que escolheu se tornar europeu, mais precisamente, buscar nas línguas latinas algo que, para ele, inexistia nas línguas de matriz anglo-saxã, Green refugiou-se, por assim dizer, na França. Tendo se dedicado por décadas ao Teatro e ao estudo profundo do período Barroco, ele realizou seu primeiro filme já quase aos 54 anos de idade, em 2001 e, desde então, vem sendo laureado em importantes festivais e atraído um séquito de fãs e admiradores extasiados.

Desde o seu primeiro trabalho, “Todas as Noites” (2001), dirigiu sete longas-metragens e mais alguns curtas, compondo uma cinematografia de variadas abordagens temáticas, mas marcada por um estilo próprio que manifesta uma ideia conceitual de cinema, conjugando simplicidade e um rigoroso formalismo com fins de produzir uma sintaxe cinematográfica extemporânea.

Destoando, portanto, do realismo e do naturalismo despojado predominantes no cinema de arte ou cultural que vem sendo feito neste século, Eugène Green desloca a busca da especificidade da imagem cinematográfica para valorizar, na imagem, a presença da palavra e o poder do signo: para o diretor, toda imagem, essencialmente, se constitui como um signo que busca uma palavra.

O Cinema, para Green, é “a arte metafísica por excelência, porque ele leva o espectador a uma apreensão do espírito a partir de uma captação da matéria”. Essa visão metafísica do cinema traz para o centro da concepção de Arte a dimensão conceitual que pode ser expressa numa palavra em desuso nos tempos atuais: a palavra “espiritual”, que evoca a presença do sagrado e do mistério.

A PONTE DAS ARTES

Em “A Ponte das Artes”, de 2004, Eugène Green constroi uma representação que busca expressar o sentido profundo da arte: a conexão espiritual entre os seres que vivifica o mistério da natureza através da criação, da sensibilidade, da emoção em relação com o pensamento.

Narrativamente, a trama do filme é simples: uma história de amor impossível entre dois jovens que nunca conseguem se encontrar. Sarah (Natacha Régnier) é cantora lírica de música barroca, sob a direção de um homem cruel, o Inominável. Já Pascal (Adrien Michaux), estudante desiludido com seus estudos e seu mestrado, busca um sentido para a vida.

A narrativa acontece integrada ao estilo e à estética do diretor. Para expressar o vislumbre de uma dimensão sagrada presente no mundo e que somente o cinema poderia revelar (como pensa Eugène Green), alguns dispositivos dão forma ao regime narrativo e estético do filme: o tom teatral da performance dos atores, os diálogos extremamente precisos e diretos nas conversas e, nestas, o olhar frontal de cada interlocutor dirigido à câmera, enquanto falam um com o outro.

Tributário, em algum grau, do cinematógrafo de Bresson, alguns recursos de estilo remetem também a Ozu, em especial, a atenção dada a planos parciais de objetos ou cantos de um lugar.

maxresdefault

Dentre estes recursos, um que nos envolve intensamente é o uso da luz. Valorizando contrastes, Green sempre utiliza luz de velas em seus filmes: a vela e a chama são signos que evocam certa simbologia narrativa, mas seus efeitos de sombra e luz cumprem uma função estética precisa e incisiva: se os personagens não são psicologizados (não são seus sofrimentos que importam, mas o drama que eles encenam e expressam através de palavras, símbolos e metáforas), o jogo de luz e sombra traduz a complexidade e contradições do mundo e do humano.

A modalidade artística que aparece na história de “A Ponte das Artes” é, em especial, a Música. O “Lamento della Ninfa”, de Monteverdi, dá o tom do filme. Mas, em seu conjunto — estilo, narrativa e estética –, o filme é em si a obra de Arte que nos quer comunicar um mundo que o mundo mesmo nos nega ou se esforça para negar: o mundo espiritual que habita o mundo material.

Esta é, afinal, a descrição mais precisa e profunda do estilo Barroco para Eugène Green: um período histórico, antes de mais nada, que se expressava nas artes e na arquitetura. O que torna especial esse período é o seu ideário fundamental de reunir o divino e o humano num espaço/tempo comum, ou — como diz Sarah ao seu namorado: “as pessoas do período barroco diziam sempre duas coisas contraditórias, ambas verdadeiras.”

Essa é a pequena grandeza do cinema de Eugène Green: traduzir na imagem a palavra, e da palavra extrair o sentimento do sagrado que só a imagem — a imagem do cinema — pode proporcionar. Às vezes, no filme, uma personagem se exime de dizer, cala-se num momento em que mais esperamos uma resposta ou uma fala, e ela nos olha diretamente e mais nada. E tudo está aí, num olhar lancinante, calmo, profundo, cúmplice de nós em nosso próprio mundo interior contraditório, secreto, ávido de ser.

Por Fabricio Ramos e Camele Queiroz, curadores das ações Cinematógrafo na Saladearte!

CINEMATÓGRAFO EM FOCO

g3531

O Cinematógrafo inicia mais uma ação mensal — o Cinematógrafo em Foco — que realizará sessões com enfoques temáticos, propostos pelos curadores ou apresentados por convidados especiais. As sessões serão sempre numa noite de sexta. A sessão “Arte, Afinal” apresenta “A ponte das Artes”, nesta sexta, dia 23, às 19h30, em sessão seguida de conversa introduzida pelos curadores Camele Queiroz e Fabricio Ramos. Ingressos já à venda em qualquer sala do Circuito Saladearte.

Anúncios

Um comentário em ““A Ponte das Artes” no Cinematógrafo em Foco (sexta, 23)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s